Ouça a Rádio - Ao Vivo
Menu
Você está ouvindo:
Tributo Aos Padres
Tributo Aos Padres
com
Sem Operador
de 06:05 as 07:00

n-4c76245936

1705

ONDE ESTOU|Noticias|Papa Francisco institui Domingo da Palavra de Deus

Papa Francisco institui Domingo da Palavra de Deus

Papa Francisco institui Domingo da Palavra de Deus
Papa Francisco institui Domingo da Palavra de Deus institui Domingo da Palavra de Deus Com o Motu Proprio Aperuit illis", o Santo Padre estabelece que o III Domingo do Tempo Comum seja dedicado celebrao, reflexo e divulgao da Palavra de Deus. Foi divulgada, nesta segunda-feira (30/09), a Carta Apostlica sob forma de Motu Proprio Aperuit illis do Papa Francisco com a qual se institui o Domingo da Palavra de Deus. Com esse documento, o Santo Padre estabelece que o III Domingo do Tempo Comum seja dedicado celebrao, reflexo e divulgao da Palavra de Deus. O Motu Proprio foi publicado no dia em que a Igreja celebra a memria litrgica de So Jernimo, incio dos 1.600 anos da morte do conhecido tradutor da Bblia em latim que afirmava: A ignorncia das Escrituras a ignorncia de Cristo. Jesus abre as mentes para a compreenso das Escrituras Francisco explica que com essa deciso quis responder aos muitos pedidos dos fiis para que na Igreja se celebrasse o Domingo da Palavra de Deus. A carta comea com a seguinte passagem do Evangelho de Lucas (Lc 24,45): Encontrando-se os discpulos reunidos, Jesus aparece-lhes, parte o po com eles e abre-lhes o entendimento compreenso das Sagradas Escrituras. Revela queles homens, temerosos e desiludidos, o sentido do mistrio pascal, ou seja, que Ele, segundo os desgnios eternos do Pai, devia sofrer a paixo e ressuscitar dos mortos para oferecer a converso e o perdo dos pecados; e promete o Esprito Santo que lhes dar a fora para serem testemunhas deste mistrio de salvao. Redescoberta da Palavra de Deus na Igreja O Papa recorda o Conclio Vaticano II que deu um grande impulso redescoberta da Palavra de Deus com a Constituio Dogmtica Dei Verbum, e Bento XVI que convocou o Snodo, em 2008, sobre o tema A Palavra de Deus na vida e na misso da Igreja e escreveu a Exortao Apostlica Verbum Domini, que constitui um ensinamento imprescindvel para as nossas comunidades. Nesse documento, observa, aprofunda-se o carter performativo da Palavra de Deus, sobretudo quando o seu carter sacramental emerge na ao litrgica. "O Domingo da Palavra de Deus", sublinha o Pontfice, "situa-se num perodo do ano que convida a reforar os laos com os judeus e a rezar pela unidade dos cristos": No uma mera coincidncia temporal: celebrar o Domingo da Palavra de Deus expressa um valor ecumnico, porque as Sagradas Escrituras indicam para aqueles que se colocam escuta o caminho a ser percorrido para alcanar uma unidade autntica e slida. Francisco exorta a viver esse domingo como um dia solene. Entretanto ser importante que, na celebrao eucarstica, se possa entronizar o texto sagrado, de modo a tornar evidente aos olhos da assembleia o valor normativo que possui a Palavra de Deus (...). Neste Domingo, os Bispos podero celebrar o rito do Leitorado ou confiar um ministrio semelhante, a fim de chamar a ateno para a importncia da proclamao da Palavra de Deus na liturgia. De fato, fundamental que se faa todo o esforo possvel no sentido de preparar alguns fiis para serem verdadeiros anunciadores da Palavra com uma preparao adequada (...). Os procos podero encontrar formas de entregar a Bblia, ou um dos seus livros, a toda a assembleia, de modo a fazer emergir a importncia de continuar na vida diria a leitura, o aprofundamento e a orao com a Sagrada Escritura, com particular referncia lectio divina. A Bblia, escreve o Papa, no pode ser patrimnio s de alguns e, menos ainda, uma coletnea de livros para poucos privilegiados (...). Muitas vezes, surgem tendncias que procuram monopolizar o texto sagrado, desterrando-o para alguns crculos ou grupos escolhidos. No pode ser assim. A Bblia o livro do povo do Senhor que, escutando-a, passa da disperso e diviso unidade. A Palavra de Deus une os fiis e faz deles um s povo. Tambm nessa ocasio, o Papa reitera a importncia da preparao da homilia: Os Pastores tm a grande responsabilidade de explicar e fazer compreender a todos a Sagrada Escritura (...) com uma linguagem simples e adaptada a quem escuta (...). Para muitos dos nossos fiis, esta a nica ocasio que tm para captar a beleza da Palavra de Deus e a ver referida sua vida diria (...). No se pode improvisar o comentrio s leituras sagradas. Sobretudo a ns, pregadores, pede-se o esforo de no nos alongarmos desmesuradamente com homilias enfatuadas ou sobre assuntos no atinentes. Se nos detivermos a meditar e rezar sobre o texto sagrado, ento seremos capazes de falar com o corao para chegar ao corao das pessoas que escutam. Sagrada Escritura e Eucaristia Recordando o episdio dos discpulos de Emas, o Papa recorda tambm como seja indivisvel a relao entre a Sagrada Escritura e a Eucaristia. Cita a Constituio Apostlica Dei Verbum que ilustra a finalidade salvfica, a dimenso espiritual e o princpio da encarnao para a Sagrada Escritura. A Bblia no uma coletnea de livros de histria nem de crnicas, mas est orientada completamente para a salvao integral da pessoa. A inegvel radicao histrica dos livros contidos no texto sagrado no deve fazer esquecer esta finalidade primordial: a nossa salvao. Tudo est orientado para esta finalidade inscrita na prpria natureza da Bblia, composta como histria de salvao na qual Deus fala e age para ir ao encontro de todos os homens e salv-los do mal e da morte. Para alcanar esta finalidade salvfica, a Sagrada Escritura, sob a ao do Esprito Santo, transforma em Palavra de Deus a palavra dos homens escrita maneira humana. O papel do Esprito Santo na Sagrada Escritura fundamental. Sem a sua ao, estaria sempre iminente o risco de ficarmos fechados apenas no texto escrito, facilitando uma interpretao fundamentalista, da qual necessrio manter-se longe para no trair o carter inspirado, dinmico e espiritual que o texto possui. Como recorda o Apstolo, a letra mata, enquanto o Esprito d a vida. O Papa recorda a afirmao importante dos Padres conciliares segundo a qual a Sagrada Escritura deve ser lida e interpretada com o mesmo Esprito com que foi escrita. Com Jesus Cristo, a revelao de Deus alcana a sua realizao e plenitude; e, todavia, o Esprito Santo continua a sua ao. De facto, seria redutivo limitar a ao do Esprito Santo apenas natureza divinamente inspirada da Sagrada Escritura e aos seus diversos autores. Por isso, necessrio ter confiana na ao do Esprito Santo que continua a realizar uma sua peculiar forma de inspirao, quando a Igreja ensina a Sagrada Escritura, quando o Magistrio a interpreta de forma autntica e quando cada fiel faz dela a sua norma espiritual. Sagrada Escritura e Tradio Falando sobre a encarnao do Verbo de Deus que d forma e sentido relao entre a Palavra de Deus e a linguagem humana, com as suas condies histricas e culturais, o Papa ressalta que muitas vezes corre-se o risco de separar Sagrada Escritura e Tradio, sem compreender que elas, juntas, constituem a nica fonte da Revelao (...). A f bblica funda-se sobre a Palavra viva, no sobre um livro. Quando a Sagrada Escritura lida com o mesmo Esprito com que foi escrita, permanece sempre nova. Assim, quem se alimenta dia a dia da Palavra de Deus torna-se, como Jesus, contemporneo das pessoas que encontra; no se sente tentado a cair em nostalgias estreis do passado, nem em utopias desencarnadas relativas ao futuro. Por isso, necessrio que nunca nos abeiremos da Palavra de Deus por mero hbito, mas nos alimentemos dela para descobrir e viver em profundidade a nossa relao com Deus e com os irmos. A Palavra de Deus apela constantemente para o amor misericordioso do Pai, que pede a seus filhos para viverem na caridade. A Palavra de Deus capaz de abrir os nossos olhos, permitindo-nos sair do individualismo que leva asfixia e esterilidade enquanto abre a estrada da partilha e da solidariedade. A carta se conclui com uma referncia a Maria que nos acompanha no caminho do acolhimento da Palavra de Deus. A bem-aventurana de Maria antecede todas as bem-aventuranas pronunciadas por Jesus para os pobres, os aflitos, os mansos, os pacificadores e os que so perseguidos, porque condio necessria para qualquer outra bem-aventurana. Portal Vatican News Data: 30/09/2019 17:49